quarta-feira, 10 de março de 2010

Auxílio-reclusão


O auxílio-reclusão é um benefício devido aos dependentes do segurado recolhido à prisão, durante o período em que estiver preso sob regime fechado ou semi-aberto. Não cabe concessão de auxílio-reclusão aos dependentes do segurado que estiver em livramento condicional ou cumprindo pena em regime aberto.

Para a concessão do benefício, é necessário o cumprimento dos seguintes requisitos:

- o segurado que tiver sido preso não poderá estar recebendo salário da empresa na qual trabalhava, nem estar em gozo de auxílio-doença, aposentadoria ou abono de permanência em serviço;
- a reclusão deverá ter ocorrido no prazo de manutenção da qualidade de segurado:
- o último salário-de-contribuição do segurado (vigente na data do recolhimento à prisão ou na data do afastamento do trabalho ou cessação das contribuições), tomado em seu valor mensal, deverá ser igual ou inferior aos seguintes valores, independentemente da quantidade de contratos e de atividades exercidas, considerando-se o mês a que se refere:

PERÍODO SALÁRIO
De 1º/6/2003 a 31/4/2004 R$ 560,81 - Portaria nº 727, de 30/5/2003
De 1º/5/2004 a 30/4/2005 R$ 586,19 - Portaria nº 479, de 7/5/2004
De 1º/5/2005 a 31/3/2006 R$ 623,44 - Portaria nº 822, de 11/5/2005
De 1º/4/2006 a 31/3/2007 R$ 654,61 - Portaria nº 119, de 18/4/2006
De 1º/4/2007 a 29/2/2008 R$ 676,27 - Portaria nº 142, de 11/4/2007
De 1º/3/2008 a 31/1/2009 R$ 710,08 – Portaria nº 77, de 11/3/2008
De 1º/2/2009 a 31/12/2009 R$ 752,12 – Portaria nº 48, de 12/2/2009
A partir de 1º/1/2010 R$ 798,30 – Portaria nº 350, de 30/12/2009


Equipara-se à condição de recolhido à prisão a situação do segurado com idade entre 16 e 18 anos que tenha sido internado em estabelecimento educacional ou congênere, sob custódia do Juizado de Infância e da Juventude.
Após a concessão do benefício, os dependentes devem apresentar à Previdência Social, de três em três meses, atestado de que o trabalhador continua preso, emitido por autoridade competente, sob pena de suspensão do benefício. Esse documento será o atestado de recolhimento do segurado à prisão .

O auxílio reclusão deixará de ser pago, dentre outros motivos:
- com a morte do segurado e, nesse caso, o auxílio-reclusão será convertido em pensão por morte;
- em caso de fuga, liberdade condicional, transferência para prisão albergue ou cumprimento da pena em regime aberto;
- se o segurado passar a receber aposentadoria ou auxílio-doença (os dependentes e o segurado poderão optar pelo benefício mais vantajoso, mediante declaração escrita de ambas as partes);
- ao dependente que perder a qualidade (ex.: filho ou irmão que se emancipar ou completar 21 anos de idade, salvo se inválido; cessação da invalidez, no caso de dependente inválido, etc);
- com o fim da invalidez ou morte do dependente.

Fonte: www.previdenciasocial.gov.br

2 comentários:

Paulo Neto disse...

É de lascar mesmo, pelo visto no Brasil uma das melhores profissões é ser bandido, o kra faz as coisas erradas, passa um tempo comendo e bebendo de graça, tem moradia e ainda tem pensão pra família... ae quem trabalha as vezes não tem nem isso!

Era pra botar os presos pra trabalhar... se não trabalhasse ia passar fome na cadeia, que ae quando saisse o kra ia pensar 2 vezes antes de fazer outro crime, agora, o kra tem direito a um monte de mordomia, por isso que bandido não tem medo de polícia no Brasil.

Anônimo disse...

Lendo este tipo de matéria dá pra ficar muito satisfeito com o que ganho, pois preciso trabalhar todo dia, quase que o dia todo pra poder ganhar um salário mínimo (510,00), isso correndo risco desta micharia ser tomada por um "sangue bom" e, como se isso não bastasse, estes mesmos anjinhos, mesmo estando presos ganham muito mais do eu, pois eu pago, aluguel comida e tenho que trabalhar pra ganhar 510,00, enquanto que um monte vagabundos são presos, recebem quentinhas do governo e de gratificação pelos crimes cometidos, ainda recebem 798,30. Isso sim é que é um país justo. Será que quanto mais crimes eu tenho, maior será meu salário?